O “Núcleo de Apoio às Pessoas com Necessidades Educacionais Específicas - NAPNE” tem o propósito de implementar ações inclusivas, contribuindo para a reflexão sobre a prática da inclusão, a aceitação da diversidade, com o objetivo de romper as barreiras arquitetônicas, educacionais e atitudinais. Os NAPNEs também acompanham o desenvolvimento acadêmico dos estudantes com necessidades educacionais específicas, procurando realizar intervenções efetivas durante os seus percursos acadêmicos. No Câmpus Cubatão, o primeiro projeto elaborado para a implantação do Napne foi realizado em Setembro de 2009, tendo como justificativa a necessidade de realizar apoio Pedagógico Especializado aos alunos com necessidades específicas. Naquela época, o câmpus Cubatão recebia alguns alunos com dificuldades e, desta forma, a equipe pedagógica percebia que tanto o aluno quanto os professores necessitavam de apoio para enfrentar as dificuldades apresentadas. Assim, o câmpus apoiou de imediato a criação do núcleo proposta pela antiga Pró Reitoria do IFSP-Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia. O Napne foi constituído a partir de orientações da Diretoria de Projetos Especiais da Pró Reitoria de Ensino do IFSP. Em sua composição contava com a participação dos servidores da antiga Coordenadoria de Apoio ao Ensino e de dois professores, que realizaram o projeto e as ações a serem desenvolvidas naquele momento, considerando o atendimento direto ao grupo de alunos que possuía diagnóstico de alguma necessidade específica. Apesar do Napne ter sido criado em 2009, algumas ações ainda não foram efetivadas na prática, como a questão da acessibilidade e a formação continuada para os servidores. Muitas ações independiam da vontade e interesse dos colaboradores do Napne, porém todas as ações que dependiam diretamente da equipe que compunha o Napne, naquele momento, foram realizadas, entre elas: levantamento das necessidade de acessibilidade no Câmpus, levantamento dos alunos para inclusão no educacenso, palestra sobre turismo adaptado, participação em encontro sobre o Napne em Brasília em 2011 e em estudos para efetivação dos Napne nos Campi, curso sobre educação inclusiva no Câmpus Cubatão, orientações para os professores que solicitavam apoio ao setor, organização de material em portfólio sobre deficiências e transtornos globais de desenvolvimento, enviados aos professores via e-mail e elaboração de projeto para compra de equipamentos adaptados com recursos do TECNEP. 98 Em 2014, houve processo seletivo para contratação de professores e Intérpretes de Libras, o que melhorou o atendimento aos surdos em nossa instituição. Em 10 de Março de 2015, o Diretor Geral do Câmpus Cubatão, professor Robson Nunes, considerando a Portaria nº 3.810, de 08 de Agosto de 2014, nomeou uma nova equipe de trabalho, através da Portaria CBT.0015/2015. Esta nova equipe designada conta com todos os servidores da nova Coordenadoria Sócio Pedagógica, além de outros servidores técnico administrativos e professores. As dificuldades encontradas atualmente são: ausência de dados sobre os estudantes, já que os responsáveis não informam sobre necessidades especiais dos alunos para ajudá-los em suas necessidades e dificuldades específicas; inexistência de sala específica de atendimento e de capacitação continuada para os docentes para o atendimento aos alunos com necessidades específicas. O Câmpus conta com servidores que possuem formação especializada e que contribuem neste trabalho. A cada ano, mais alunos ingressam no Câmpus precisando de acompanhamento específico, principalmente na área da surdez. No momento temos sete estudantes com surdez na EJA – sendo cinco alunos no primeiro ano, dois no segundo ano e um aluno no primeiro semestre do Curso de Tecnologia de Gestão de Turismo.

Em 2016 o Instituto contou com 6 alunos com surdez/deficiente auditivo, sendo 5 alunos matriculados na EJA, um no primeiro ano, quatro no segundo ano e um aluno cursando Gestão de Turismo, distribuídos em 3 salas. No mesmo ano os quatro alunos da EJA, concluíram seus estudos, deixando o Instituto.

Com batalhas e vitórias conseguimos a nomeação de mais um profissional Tradutor/Intérprete de LIBRAS, totalizando duas intérpretes no campus. Contudo essa realidade não permaneceu por muito tempo, pois uma das Interpretes tomou posse como Professora de LIBRAS em Piracicaba.

No ano de 2017 contamos com a atuação de uma intérprete de Libras para fazer atendimento em duas salas (EJA e Gestão de Turismo).